A Defensoria Pública do Espírito Santo (DPES) capacitou a primeira turma de programação web e mais uma de informática básica, na última segunda-feira (03), com o Projeto Inclusão Social, que visa a capacitação em informática para pessoas custodiadas, além de proporcionar conhecimento, visando à inserção na sociedade.

As aulas da segunda edição do programa aconteceram na Penitenciária Estadual de Vila Velha (PEVV5) e contaram com 8 alunos no curso de informática básica e 3 alunos no curso de programação web, que concluíram também o curso de informática básica no módulo anterior.

Desta edição participaram, além das professoras Renata Cristina Laranja, Eliana Caus Sapaio e Suzi Lara Werner, os alunos Diego Aguiar Medeiros, do curso de ciência da computação; Mayara Berdardo, Hyane Cananite e Mariah de Mattos Malheiros, do curso tecnológo de análise e desenvolvimento de sistemas, da Faesa.

dsc_0130O aluno do primeiro módulo George Motta Prata, que já trabalhou e teve contato com computador, mas nunca teve a oportunidade de fazer um curso. “Esse trabalho que o projeto nos traz proporciona a utilização da nossa capacidade e nos ajuda a evoluir”.

A professora Eliana Caus explicou que os alunos que tiveram êxito no módulo de informática básica, neste segundo módulo, tiveram a oportunidade de aprender a criar uma página na web e ainda puderam fazer animações, através de comandos, como ponto de partida para desenvolvimento de games. “Eles utilizaram o programa scratch que vai muito além, propiciando a formação do pensamento computacional”, completa.

dsc_0135O aluno do segundo módulo Fábio Junior apresentou o site que produziu durante o curso e demonstrou satisfação. “Tudo que fiz foi uma novidade. Eu não sabia fazer nada disso. Quando eu sair daqui, certamente utilizarei esse aprendizado nos meus projetos lá fora”, ressalta Junior.

Segundo a idealizadora do Projeto, a Defensora Pública Roberta Ferraz, o projeto tem a previsão de continuar com a segunda turma de programação web e a terceira de informática básica, a partir de agosto deste ano. “Sou muito grata pelo Projeto ter entrado na minha vida, pela a Faesa ter abraçado a ideia e aos alunos internos que se dedicaram e têm feito com que o projeto tenha continuidade com sucesso”.

Sobre o Projeto

 

O projeto “Inclusão Social” teve início no dia 19 de setembro de 2017, através do Núcleo de Execuções Penais (Nepe), DPES e em parceria com a Faesa Centro Universitário. O Projeto certificou a 1ª turma de detentos com o curso de informática básica, em que ofereceu a capacitação técnica a 13 apenados da PEVV5, quando participantes aprenderam o básico dos programas Word, Excel, PowerPoint e Internet.

A certificação proporcionou aos apenados a remição de pena, entretanto, o principal objetivo deste Projeto é a redução do analfabetismo funcional e digital, sempre visando o retorno dessas pessoas para a sociedade. Agora, quem tem o certificado pode fazer o curso de programação web.

Ao todo, cada fase do curso é composta por 24 aulas e uma carga horária de 36 horas. Como a legislação vigente permite a remição de um dia de pena a cada 12 horas de estudo, ao fim do curso os participantes terão reduzido três dias. As aulas são realizadas por professores e monitores voluntários da Faesa.

De acordo com a coordenadora do Nepe, a Defensora Pública Roberta Ferraz, o curso permite a esses apenados a inclusão digital, a preparação para o mercado de trabalho, além da capacitação técnica e remição de pena.