O Planejamento Estratégico (PE) 2019-2023 foi apresentado aos membros do Conselho Superior da Defensoria Pública do Estado do Espírito Santo nesta sexta-feira (05).  Os conselheiros puderam conhecer as diretrizes e ações, que serão colocadas em prática na Instituição nos próximos anos. Na ocasião, também foi discutido o Plano Plurianual.

O Planejamento Estratégico está em fase de conclusão e será amplamente apresentado, em breve, a toda Instituição, bem como ao Executivo e Legislativo. Segundo o defensor geral, Gilmar Alves Batista, as ações dispostas no PE foram pensadas para modernizar e valorizar a Defensoria Pública, bem como para ampliar o atendimento ao cidadão capixaba.

dsc_0941A proposta de Planejamento Estratégico, de acordo com o conselheiro Elias Gemino, é extremamente importante para direcionar os caminhos que a Defensoria Pública pretende seguir. “O projeto é fundamental para que a Instituição cresça e alcance os seus objetivos primordiais, dentre eles o atendimento com qualidade da população mais carente de nossa sociedade”.

Elias afirma que o Planejamento é capaz de manter “os defensores públicos, servidores e colaboradores alinhados em torno de um objetivo comum, fornecendo à Administração da Instituição os direcionamentos para embasar as tomadas de decisões sobre o futuro da Defensoria Pública”.

O conselheiro Leonardo Grobberio parabenizou o defensor público-geral pela apresentação do Planejamento Estratégico e por traçar novos rumos para a Instituição. “Pessoalmente fiquei muito surpreso com o detalhamento do projeto e sua amplitude, com base estrutural muito bem montada e sofisticada. Foi um prazer assistir a um profissionalismo de ponta. Tenho certeza que na prática irá surtir grandes efeitos para a sociedade capixaba”.

Para a presidente da Associação Estadual dos Defensores Públicos do Espírito Santo, Mariana Andrade Sobral, o PE permitirá que a Instituição enfrente os desafios de forma clara e planejada. “A construção de Planejamento Estratégico para a Defensoria Pública do Espírito Santo, sem dúvida, permitirá que a instituição enfrente seus desafios de forma clara para que possa alcançar os principais objetivos de expansão de serviços e valorização da carreira”.

Mariana ressalta que é preciso estancar a evasão de defensores públicos. “Em 3 anos, precisaremos estancar a evasão dos membros, decorrente dos salários incompatíveis com o cargo, e expandir a assistência jurídica gratuita no modelo constitucional a 70% do Estado que hoje não possui Defensoria Pública instalada. O Planejamento Estratégico propicia organização administrativa e permite transparência, controle social e gestão democrática da instituição pública”.